sexta-feira, 18 de março de 2016

Educadores de Minas Gerais aprovam pauta de reivindicações e deflagram estado de alerta

Balanço da greve nacional mostra força organizativa da categoria, que definiu um novo calendário de atividades para março e abril
Em assembleia estadual realizada, dia 16/03, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, após Conselho Geral que aconteceu no período da manhã, no auditório do CREA-MG, em Belo Horizonte, trabalhadores e trabalhadoras em educação de todas as regiões do Estado fizeram um balanço da greve nacional em Minas, aprovaram a pauta de reivindicações de 2016 e aprovaram um intenso calendário de atividades para os meses de março e abril.
O balanço da adesão à greve convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), apresentado por região, mostrou que o movimento teve forte adesão em Minas Gerais.  Em todas as regiões do Estado houve paralisação de atividades, com registros de índices superiores a 90% em várias cidades.
“Estamos dando uma demonstração de força coletiva, comprovando que a nossa estratégia de mobilização com um calendário de atividades desde o início do ano escolar foi acertada! A forte adesão em todo estado, a participação dos servidores da maioria das Superintendências Regionais de Ensino e do Órgão Central e também de várias redes municipais filiadas ao sindicato demonstra grande força da categoria”, avaliou a coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, após a apresentação das atividades e da adesão  da greve por região na abertura do Conselho Geral da entidade, no auditório lotado do CREA-MG.
Cada região, por meio de sua Subsede, apresentou as atividades realizadas dentro do calendário da greve nacional, entre elas, plenárias locais, vigílias, mobilizações, visitas ás Câmaras e Prefeituras municipais, panfletagens e diálogos com a comunidade.
Muita luta pela frente!
O calendário discutido e aprovado na Assembleia estadual reflete três eixos de luta: a vigília permanente pelo cumprimento do acordo assinado pelo governo do estado em 2015, a pressão pela negociação de nova pauta de reivindicações para avançar em novas conquistas e a importância de participarmos das mobilizações gerais como classe trabalhadora.
Os trabalhadores irão às ruas para contrapor à agenda conservadora em curso no país. Assim, a defesa dos direitos da classe trabalhadora, a defesa da democracia, da Petrobrás e do pre-sal como recurso para a educação, por mudanças na política econômica e não ao golpe estarão na agenda da categoria.
Direito de greve
Durante o Conselho Geral houve relatos de assédio em vários locais em função da decisão do trabalhador em participar da greve nacional, uma prática utilizada para intimidar as pessoas que queriam aderir ao movimento. Mais uma vez o Sindicato alertou para o direito de greve, que é garantido pela Constituição da República e pode ser exercido por todos os trabalhadores e trabalhadoras, independente do seu vínculo funcional.  Seja designado, seja efetivo e/ou efetivo em estágio probatório, todos têm o direito de aderir à greve e não podem sofrer constrangimento nem podem ser punidas pelo exercício do direito de greve. “Esse é um direito nosso, ele fortalece o exercício de quem faz a luta”, afirmou a direção do Sindicato.
Nomeações
As novas nomeações anunciadas e feitas pelo governo do Estado está no hall de conquistas do Sind-UTE/MG junto ao governo, mas o Sindicato quer acompanhar de perto a dinâmica desse processo.
Há dois concursos públicos em vigor sendo que um deles vence no final deste ano. Para debater essa questão, acontecerá dia 22 próximo uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O Sindicato também já solicitou uma reunião com a Secretária de Educação para debater sobre o cronograma das nomeações.
Projetos de lei em tramitação na Assembleia Legislativa
Foram dado informes sobre a votação do projeto de lei que trata da situação dos trabalhadores que foram vinculados pela Lei Complementar 100/07, o PL 3.230/16, que possibilita que o servidor que foi vinculado ao Estado pela Lei Complementar 100/07 continue contribuindo para o IPSEMG para fins de assistência à saúde (assistência médica, hospitalar e odontológica) até 2018.
De acordo com o Sindicato, há um jogo de obstrução na ALMG pelos deputados de oposição à base governista e isso tem impedido o avanço na tramitação desse projeto, que está em fase de votação em plenário e daí a necessidade da categoria manter-se em vigília para acompanhar esse trâmite.
O Projeto de Lei Complementar 050/16, que restabelece a licença para tratamento de saúde para os servidores que, em 31 de dezembro, estavam afastados, também já foi aprovado nas comissões e agora falta aprovação em 2 turnos no plenário. Ele restabelece a licença de saúde até a recuperação do servidor ou ser convertida em aposentadoria por invalidez para os trabalhadores vinculados pela Lei Complementar 10/07 e que foram dispensados no dia 31 de dezembro de 2015 Com a sanção do projeto, os servidores receberão os salários retroativos a janeiro de 2016. O projeto ainda prevê a dispensa da perícia médica oficial o servidor vinculado pela Lei Complementar que for nomeado em concurso público.  Essa é outra demanda que precisa ser acompanhada pare passo no âmbito do legislativo estadual.
Piso Salarial Profissional Nacional
O acordo assinado em 2015 estabeleceu a política salarial para se chegar ao pagamento do Piso Salarial em Minas Gerais:
1a etapa: abono correspondente a 13,06% pago a partir de junho de 2015 e incorporado em junho de 2017.
2a etapa: reajuste anual anunciado pelo Ministério da educação em janeiro de 2016. Foi anunciado 11,36%.
3a. etapa: abono correspondente a 8,21% pago a partir de agosto de 2016 e incorporado em junho de 2017.
4a etapa: novo reajuste anual que será anunciado pelo MEC em janeiro de 2017.
5a etapa: abono correspondente a 7,72% a ser pago a partir de agosto de 2017.
6a etapa: novo reajuste anual que será anunciado pelo MEC em janeiro de 2018.
7a etapa: incorporação do último abono em julho de 2018.

Superintendências Regionais de Ensino e Órgão Central
Depois de muita pressão, finalmente o governo marcou para o dia 30 de março, às 14h, a última reunião do grupo de trabalho instituído para fazer a discussão das carreiras dos servidores das Superintendências Regionais de Ensino (SREs) e Órgão Central da Secretaria de Estado da Educação (SEE).
O Sind-UTE/MG reforçou a posição de que não há aceitação do processo de reposição imposto pela Secretaria de Educação. A reposição não pode ser conduzida por birra ou pela ideia de ‘parou, agora pague’. “Não nos recusamos a realizar a reposição, mas ela não pode ser imposta!”
Foi aprovado no calendário de atividades, que haverá uma vigília no dia 30 de março enquanto estiver acontecendo a reunião do grupo de trabalho com o governo.
Calendário de mobilização
16/03: Ato unificado após a assembleia estadual realizada em dia 16 de março.
17/03:  Encontro Estadual com os Assistentes Técnicos da Educação Básica (ATBs), no auditório da Faculdade de Direito da UFMG,  na capital mineira.
17/03: 14h - Vigília na ALMG para acompanhar a leitura do projeto de lei do reajuste do Piso Salarial no Plenário da Casa.
18/03: Participação em ato público em defesa da democracia e contra o golpe juntamente com movimentos sociais e sindicais.
22/03: Vigília política para acompanhar a tramitação do projeto de lei do reajuste do Piso Salarial e participação em audiência pública que vai tratar sobre as nomeações do concurso público. No mesmo dia haverá o protocolo  político da pauta de reivindicações
30/03: paralisação das Superintendências Regionais de Ensino e do Órgão Central e vigília durante a reunião do grupo de trabalho. 
31/03: Paralisação total de atividades e marcha dos 100 mil a Brasília chamada pela CNTE, em defesa dos direitos da classe trabalhadora, contra a reforma da previdência, que propõe, entre outros, acabar com a aposentadoria especial para o professor/a contra a privatização da educação pública entre outras pautas.
23/03 a 06/04: Diálogo da pauta de reivindicações com a comunidade escolar e assembleias locais.
07/04 Assembleia estadual, em Belo Horizonte, com paralisação total de atividades, no Pátio da ALMG.

Adesão à Greve Nacional da Educação
A mobilização foi forte em todo o Estado, com índices superiores a 90% em várias cidades. Confiram os índices de adesão à greve por região, apurados no dia 16 de março:
Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba
Uberlândia: 75%; Monte Carmelo: 90%; Ituiutaba: 100%; Uberaba: 90%; Patrocínio: 80%; Patos de Minas: 25%; Santa Vitória: 80%; Araguari: 90%; Frutal: 95%; Capinópolis: 98%.
Greve também em Cachoeira Dourada, Canápolis, Ipiaçu, Campo Florido, Água Comprida e outras cidades da região.
 Vale do Aço
Manhuaçu: 60%Caratinga: 40%; João Monlevade: 50%; Itabira 60%; Coronel Fabriciano e Timóteo: 40%; Ipatinga: 40%
Greve também em Ipaba, Dom Cavati e outras cidades da região.
 Vale do Rio Doce, Mucuri e Jequitinhonha
Itaobim e região: 70%; Diamantina e região: 50%; Capelinha: 90%; Almenara: 20%; Governador Valadares:  85%; Teófilo Otoni e região: 90%; Aguas Formosas e região: 85%; Nanuque e região: 90% .
Adesão em Sobrália, Frei Inocêncio, Fernandes Tourinho, Matias Lobato, Engenheiro Caldas, Alpercatas, Itanhomi, Aimorés, Itueta, Mantena, Medina, Itinga, Araçuaí, Coronel Murta, Virgem da Lapa, Francisco Badaró, Genipapo de Minas, e outras cidades na região.
 Zona da Mata
Leopoldina:  60% Juiz de Fora:  70%; Carangola: 80%  São João Del-Rei: 70%  Ponte Nova:  Ubá:  60%; Ouro Preto:  80%; Muriaé: 70%; Conselheiro Lafaiete:  59%; Barbacena:, Viçosa: 80%.
 Sul de Minas
Pouso Alegre: 40%; Itajubá: 10%; Campo Belo: 70%;  Poços de Caldas: 90%; Varginha:  50%; Passos: 70%  São Sebastião.



Atendimento jurídico. Agende!

ADVOGADA
A Doutora Juliana está atendendo os/as filiados/as na subsede do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais.

A próxima data de atendimento será 21/08/2017 (segunda-feira).

Endereço: Rua São João, 558 - Sala 09
Centro
Governador Valadares - MG
Filiado, agende seu horário pelos telefones 3271-3386 e  98749-3689, ou envie  e-mail para sindutegv@gmail.com e receba mais informações.



terça-feira, 15 de março de 2016

Trabalhadores da Educação participam da Plenária Regional.

A plenária regional contou com participação de educadores de Governador Valadares, Sobrália, Frei Inocêncio e Itanhomi. 
A Coordenadora Regional do MAB(Movimento dos Atingidos por Barragens) Talita Silva fez uma análise da conjuntura neste momento de crise, que sempre os trabalhadores são penalizados com os direitos sendo retirados. Precisamos de muita força para lutarmos e preservar nossas conquistas.
Discutimos a proposta de pauta de reivindicações para 2016, vimos que ainda não foram incluídas propostas discutidas no Encontro Regional do dia 13 de fevereiro, que levaremos para aprovação do Conselho Geral do Sind-UTE/MG como:
Derrubar a revogação do art. 152 da Lei 7109 de 13/10/1977 (Estatuto do pessoal do magistério público do Estado de Minas Gerais). O professor que houver completado 45 (quarenta e cinco) anos de idade e contar 25 (vinte e cinco) anos de regência terá direito ao exclusivo exercício das atribuições do módulo 2, previsto no artigo 13 desta Lei ou, a critério do Sistema, de outras, necessárias ao funcionamento da escola.
Veja que a data da revogação foi no período de festas de final de ano. Art. 152 (Revogado pelo inciso I do art. 74 da Lei nº 21.077, de 27/12/2013.)
Art. 74. Ficam revogados:
I – o art. 152 da Lei n° 7.109, de 13 de outubro de 1977, asseguradas as situações funcionais estabelecidas até 1° de janeiro de 2015;

Até o momento (15/03, 19 hrs) recebemos informação de adesão à greve nacional as seguintes escolas.
EE de Baguari.
EE Alexandre Peixoto.
EE Labor Clube (100% matutino e 90 % vespertino).
Aimorés: EE Machado de Assis, EE Frei Afonso Maria Jordá.
EE Vicente Soares (Pontal).
Itanhomi : EE Carlota de Andrade, EE Humberto de Campos. EE Maria Assunção,
EE Frei  Inocêncio (Frei Inocêncio ).
EE João Brasileiro de Frei Inocêncio.
EE Paulo Luiz (Mathias Lobato).
SIR (EE Antônio F. Lisboa).
EE Sagrada FamIlia (100% matutino, 80% vespertino ).
EE Luiz de Camões em Tumiritinga.
EE Bom Pastor (90%).
EE Pedro Ribeiro Cavalcante.
EE Paulo Freire (100% anos finais do Ensino Fundamental e Médio).
EE Frei Angélico (100% matutino).
EE Nelson de Sena (mais de 90%).
EE Professora Ondina Pinto de Almeida em Engenheiro Caldas.
EE José Severino em Sobrália .
EE Agripino Vilas Novas em Fernandes Tourinho.
EE de São Félix de Minas.
EE Joaquim Pedro do Nascimento.
EE Carlos Luz.
EE Diocesano.
EE Manoel Birro .
EE Júlio Soares.
EE Arabela.,
EE Capitão Andrade.
EE de Cantagalo (6 servidores aderiram a greve geral).
EE de São Geraldo de Tumiritinga (3 professores em greve).
EE Sinval Rodrigues Coelho.
EE de Itueta.
EE Josefina  Camila Reis de Penha do Cassiano.
EE Quintino Bocaiúva .
EE Joaquim Monteiro , de Marilac .
EE de Coroaci .
EE  Dom Hermínio Malzone Hugo  de Naque .


Muitas cidades e escolas que estão paralisadas ainda não informaram da paralisação.






segunda-feira, 7 de março de 2016

Parabéns, Mulheres!



FEM/CUT
Não é o comércio e muito menos comemoração que marcam o 8 de março no Brasil.
Milhares de mulheres trabalhadoras sairão às ruas nesta terça (8) para reivindicar a garantia e avanços nos direitos conquistados nos últimos anos.
No dia Internacional da Mulher, a CUT estará nas ruas em defesa da democracia, contra a reforma da previdência, a favor da legalização e descriminalização do aborto, pela ratificação das Convenções 189 e 156, pelo fim da violência contra mulher nos locais de trabalho, por uma educação igualitária e não discriminatória e pelo desenvolvimento sustentável que tenha como centro a vida humana.
“Nós mulheres não podemos achar que as conquistas são definitivas, temos que estar atentas e em permanente vigília para garantir a continuidade e lutar por avanços, principalmente neste momento tão delicado da democracia brasileira,” lembrou a vice-presidenta da CUT, Carmen Foro, se referindo aos ataques contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, contra a presidenta Dilma e contra os direitos das trabalhadoras e trabalhadores conquistados neste país.
Segundo ela, se a ordem democrática for quebrada, como pretendem setores do judiciário e da mídia, as atuais conquistas estarão sob sério risco.
“A democracia está em jogo no país, querem tomar o poder de qualquer jeito e um golpe está em curso. Os movimentos sociais, sindicais e populares estarão juntos conosco na luta desta terça. É momento de unidade e de luta para enfrentarmos os que não se preocupam com o país e com a classe trabalhadora”, completou a vice-presidenta.
Para a secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CUT, Junéia Batista, as mulheres trabalhadoras precisarão estar nas ruas neste 8 de março. “O enfrentamento será nas ruas. Precisamos dialogar com toda população e mostrar o que está em risco neste momento político do país. As mulheres sempre são e serão as mais prejudicadas e elas precisam saber disso”, justificou a dirigente.
Uma das principais bandeiras das mulheres trabalhadoras neste ano é a possível reforma da previdência, anunciada pela mídia, em que um dos pontos é a equiparação da idade mínima de aposentadoria entre homens e mulheres.
“Nós não podemos deixar isso acontecer, nós até podemos viver mais como muitos dizem, mas nós temos duas, três e até quatro jornadas de trabalho. Nesta sociedade machista, racista e patriarcal são as mulheres, na maioria das vezes, que são responsáveis pelas famílias e pelos filhos,” destacou Juneia.
A mais recente pesquisa do IBGE comprova que a mulher, apesar de ser maioria na população e maioria no mundo do trabalho, continua ganhando menos e trabalhando mais. Segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) feita entre os anos de 2004 e 2014 com 150 mil famílias, a dupla jornada feminina aumentou uma hora. Agora elas trabalham cinco horas a mais do que eles.
A estatística também mostra que, enquanto a jornada de trabalho masculina fora de casa caiu de 44 horas para 41 horas e 36 minutos por semana, a carga horária dedicada ao trabalho doméstico se manteve estável. Ou seja, o tempo livre não foi revertido em maior dedicação ao lar. Nesse mesmo período de 10 anos, a mulher manteve uma média de jornada de trabalho fora de casa de 35 horas e meia, mas ainda continua ganhando 24% a menos que os homens – e acumulando tarefas domésticas.
“Os dados demonstram claramente que a desigualdade entre homens e mulheres ainda é gritante. É inadmissível igualar a idade mínima para a aposentadoria”, explicou a secretária Nacional da Mulher Trabalhadora.
“Precisamos estar nas ruas, nas praças com nossas camisetas e nossas bandeiras para defender a democracia do Brasil. Sem democracia as mulheres não terão seus direitos garantidos. E sem direitos para as mulheres não haverá democracia”, completou.

8 de março- Jornada Nacional de Luta
A Frente Brasil Popular (FBP), que reúne mais de 50 movimentos sociais, vai somar-se à luta das mulheres. O Dia Internacional da Mulher será um dos três dias de mobilização do movimento, 18 e 31 de março serão as outras datas, já confirmadas, da jornada nacional de mobilização.
Em São Paulo, neste 8 de março, todas as companheiras estão convocadas a se concentrarem a partir das 16 horas no MASP.

Sobre o 8 de março
A data de 8 de março está ligada diretamente à luta das mulheres por melhores condições de trabalho, por uma vida mais digna e uma sociedade mais justa e solidária.
Mesmo antes da revolução industrial, mulheres lutavam por melhores condições de trabalho, já que tinham jornadas extremantes puxadas e tinham salários muito inferiores aos dos homens.
A proposta de criar uma data internacional para celebrar as lutas e conquistas das mulheres foi apresentada em 1910, na 2ª Conferência Internacional das Mulheres Socialistas. A definição pelo 8 de março ocorreu em 1921, na Conferência Internacional de Mulheres Comunistas.
Em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres. Nos anos 1960, o movimento feminista ganhou corpo, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e em 1977 o "8 de março" foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas como “Dia Internacional das Mulheres”.
A CUT, desde sua fundação se preocupa com a organização das mulheres, neste ano fará 30 anos de política de gênero na maior central da América Latina, desde a criação da primeira Comissão Nacional da Mulher Trabalhadora. Apesar de algumas conquistas, ainda há muitos desafios. Os direitos das mulheres precisam ter avanços e serem consolidados.
Fonte:http://www.cut.org.br/noticias/nesta-terca-8-mulheres-nas-ruas-para-defender-democracia-4053/

EDITAL DE CONVOCAÇÃO: Os servidores públicos, abaixo listados, possuem ações ajuizadas pelo Departamento Jurídico do Sind-UTE/MG.


Fomos vitoriosos nestas ações. Agora é o momento de cada um receber seus direitos.
Portanto, o Sind-UTE/MG convoca os servidores, abaixo relacionados, para receberem seus créditos devidos.

Os autores deverão enviar ao Sind-UTE/MG, situado na Rua Ipiranga, nº 80, Bairro Floresta, Belo Horizonte/MG – CEP: 31.015-180, os seguintes documentos:
1. Cópia da Carteira de Identidade
2. Cópia do CPF
3. Contracheque Atual
4. Endereço atualizado
5. Informações bancárias para depósito (banco, agência e conta)

Quanto aos Autores Falecidos, os herdeiros deverão enviar os seguintes documentos:
1. Cópia da Carteira de Identidade do Falecido
2. Cópia do CPF do Falecido
3. Cópia da Certidão de Óbito
4. Certidão de Casamento/Nascimento do Falecido
5. Cópia de Carteira de Identidade e CPF de todos os Herdeiros
6. Procuração com poderes específicos para Recebimento do Crédito (caso um herdeiro venha receber o crédito em nome dos demais)

AÇÃO DE CORTES DE VANTAGENS EM VIRTUDE DE LICENÇA MÉDICA
Abigail Maria Neide Assis, Edina Dutra da Rocha, Joana Darc de Oliveira, Lázara Maria Luiza dos Santos, Marcelo Antônio Batista, Maria Aparecida Leles Rezende, Maria Lúcia do Nascimento Araújo, Mônica Helena Mendonça Cruz, Sônia Regina de Freitas e Wildes Djanira Gonzaga Costa R. Brant.

AÇÃO DE DESCONTO/REPOSIÇÃO DE CORTE DE GREVE
Acácia Simão da Costa, Alda Maria Alves Marinho, Antônio Carlos Alves, Aparecida de Fátima Martins de Freitas, Avani Fátima Fernandes, Cleuza Luiz de Oliveira, Denise Moraes de Oliveira Amaral, Edimar Martins, Eliana da Cunha Rocha Amaro, Eliane Ventura da Silva, Elizabeth Alves Sampaio, Emiliana Benini Starling Vieira, Erotides Monteiro Castanheira, Flávia Gonçalves Pereira, Giane dos Reis Pereira, Heloisa Helena de Melo, Ieda Angélica de Paula Marques, Janice Alves Pereira Puiatti, João Bosco Sartori Motta, Karina Virginia Costa, Lana Cristina Furbino Frossard, Maiza Aparecida Guimarães, Márcia Pereira das Graças Antunes, Marco Antônio Sandim, Maria da Conceição Teixeira Gomes, Maria das Conceição Leal e Lucas, Maria de Fátima de Andrade Neves, Maria de Fátima Keles, Maria de Lourdes Gontijo, Maria do Carmo Fantuzzi, Maria José Alves Martins da Silva, Maria José Grillo, Maria Valério Paniago Pereira Silva, Mariézia Vitor Moreira Leoni, Marlene Maria Rodrigue de Souza, Marta do Socorro Gomes Vieira, Nazareth de Jesus Fernandes, Nélton Monteiro de Assis, Nilza Gomes Fadel Guimarães, Patricia Muratori de Lima E Silva Negrão, Rita de Cássia Fonseca Pessoa, Rosaria Aparecida Miguel Costa, Rosemary de Jesus Catarino, Rozilda Sena Botelho, Sônia Maria de Souza Alves, Sônia de Fátima Teixeira, Terezinha Pires Vilarinho, Vera Lúcia de Souza, Vilma Candida Bueno e Zildete Amaral Martins.

AÇÃO SOBRE VANTAGENS (CORTES/ INCORPORAÇÃO)
Adriana Aparecida Dias Lima Vieira, Armecides da Conceição Silva Araújo, Fátima Aparecida dos Santos, Gonia Luzia de Queiroz Rios, Liene de Andrade Melo, Lúcia Martins de Almeida Alvarenga, Luciana Gonçalves, Madalena Candida Duarte Alves, Maria de Lourdes Souza, Maria dos Prazeres Leite, Maria Inês Pires Coelho, Marilene Dutra Kaiser Pereira e Mione Lúcia Rocha Beltrame.

AÇÃO DE RATEIO DE 1/3 DE FÉRIAS
Edna Gorete Costa Dias, Marta Maria de Paiva Ribeiro, Sandra Regina da Silva, Sueli Maria Nagib Cunha e Valdivino Antônio Maia.

AÇÃO: APOSENTADORIA
Maria Aparecida da Silva e Rita Vaz.

AÇÃO: DESCONTO DE IMPOSTO DE RENDA SOBRE FÉRIAS PRÊMIO
Elza Silva da Conceição.

AÇÃO: DESCONTO EM VIRTUDE DE PLEITO ELEITORAL
Maria Aparecida Ribeiro Ramos e Maria José Barbosa Moreira.

AÇÃO: APOSTILAMENTO
Elvira Moreira Lima.

AÇÃO: ACESSO
Maria Isabel de Faria.

AÇÃO: DIFERENÇA SALARIAL
Valdívia Silvânia Gomes.

AÇÃO: RESTITUIÇÃO EM VIRTUDE DE CORTE DE VENCIMENTOS
Vicente Salete Borges.

domingo, 6 de março de 2016

Onde está o Professor Nelcino Rodrigues Valentim? Desaparecido de 29/12/2015.

Sábado (05/03/2016) houve a passeata em defesa da investigação pela polícia sobre o desaparecimento do Professor Nelcino Valentim. A família e amigos sofrem muito com a falta de resposta, pois já são 69 dias desde seu desaparecimento no dia 29 de dezembro de 2015 sem resposta, o que aumenta muito a angústia e sofrimento. Para alguns da sociedade pode até parecer que está tudo dentro da normalidade, mas quem trabalhou e conviveu com ele são dias intermináveis sem solução.
         Nelcino Valentim foi visto pela última vez saindo de uma lanchonete na Avenida Brasil, no início da madrugada de terça-feira (29). Ele saiu de casa para trabalhar calça jeans e camisa rosa, em seu caro Fox 1.6 prata, de placa HMD-5256, e não retornou.
Amigos, alunos e colegas de trabalho solidarizam com a família em defesa de uma resposta! Não vamos deixar cair no esquecimento!