segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Governo de Minas tenta impor esta proposta sem negociação com o Sind-UTE.

SEGUNDA-FEIRA, 21 DE NOVEMBRO DE 2011

Governo de Minas propõe remuneração unificada para professores e paga acima do piso salarial

O Governo de Minas encaminha à Assembleia Legislativa de Minas Gerais, nesta terça-feira, nova proposta com diversas melhorias para a remuneração e para a carreira dos profissionais da Educação.
Veja os novos benefícios   
Todos os professores e especialistas da Educação ganharão acima de R$ 1.122,00, para uma jornada de 24 horas semanais, ou seja,  proporcionalmente 57% a mais do que o piso nacional de R$ 1.187,00 para uma jornada de 40 horas semanais.
  • Todos os professores e especialistas da Educação com licenciatura plena ganharão pelo menos R$ 1.320,00, ou proporcionalmente 85% a mais do que o piso nacional.
  • A nova proposta significa um impacto de R$ 2,1 bilhões na Folha da Educação
  • A partir de 2012, começará a implantação do sistema de 1/3 da jornada semanal dos professores dedicada a atividades extraclasse.
O que muda no novo modelo de remuneração:

Como é hoje
Como fica
Benefícios para os profissionais da Educação com a unificação da remuneração
Modelo antigo de remuneração, com mais de 20 gratificações diferentes, algumas desiguais para servidores de mesma função e muitas delas perdidas no momento da aposentadoria, ou nos casos de licença médica e licença maternidade, como é o caso do “pó de giz”.
Extinção do modelo antigo de remuneração e implantação do modelo unificado de remuneração, válido para todos os profissionais da Educação.
·         Servidor não perde remuneração quando se aposenta.
·         Tempo de serviço não é perdido na mudança de modelo de remuneração.
·         O modelo unificado de remuneração garantirá os biênios, quinquênios e outras vantagens pessoais para recalcular o posicionamento do servidor.
·         A nova tabela de vencimentos prevê progressões e promoções que valorizam o tempo de serviço, a escolaridade e o resultado da avaliação de desempenho.
Cerca de 30% dos profissionais da educação, por opção própria, estão enquadrados no modelo antigo de remuneração.
Remuneração inicial de R$ 1.320,00 para os professores
Esse piso já é pago aos professores e especialistas que optaram pelo modelo de remuneração unificado.
·         Esse valor inicial é 85% superior ao piso salarial definido na lei.
·         Os professores poderão receber, quando beneficiados por uma progressão, aumento de 2,5% a cada dois anos e de 10% a cada novo título, calculado a cada cinco anos.
¼ da carga horária destinada a atividades extraclasse.
1/3 da carga horária destinada a atividades extraclasse.
·         Maior disponibilidade de tempo para preparar as aulas, atender alunos e corrigir trabalhos escolares.


A implantação do modelo unificado para os profissionais da Educação será feita da seguinte forma:
  • Criação de uma tabela de transição com aplicação proporcional do piso nacional no vencimento básico, levando em consideração os mesmos interstícios vigentes na tabela do subsídio (10% na vertical/escolaridade e 2,5% na horizontal/tempo de serviço)
  • Professores e especialistas da Educação terão suas vantagens pessoais (qüinqüênios, biênios etc) calculadas com base na tabela de transição e, imediamentamente,  incorporadas à remuneração única.
  • Todos os servidores serão posicionados na tabela unificada
  • Esses aumentos serão escalonados, em percentuais anuais, até 2015, observada a situação individual de cada servidor
Evolução da folha de pagamento da Educação mostra a valorização do professor
O esforço do Governo de Minas para valorizar os professores e profissionais da Educação fica claro ao se observar a evolução da folha de pagamento da Educação:

2003
R$ 3,3 bilhões


2010
R$ 6,2 bilhões
Crescimento da folha no período 2003/2010 – 90,5%
Inflação no período 2003/2010 – 56,68%
2011
R$ 7,7 bilhões
Crescimento da folha no período 2003/2011 – 134%
Inflação no período 2003/2011* – 66,83%
2012
R$ 8,5 bilhões
Crescimento da folha no período 2003/2012 – 166%
Inflação no período 2010/2012* – 73%

*Inflação estimada.
A nova proposta de remuneração do Governo de Minas representa uma folha anual de R$ 9,8 bilhões até 2015, considerando os aumentos escalonados ano a ano. Isso significa um aumento de 58% da folha em relação a dezembro de 2010 e de quase 200% em relação a 2003. É o máximo que o Governo pode autorizar, considerando a Lei de Responsabilidade Fiscal e as disponibilidades orçamentárias do Tesouro Estadual.
Modelo unificado de remuneração beneficia todos os professores
Veja alguns exemplos reais de como o modelo unificado de remuneração beneficia professores com tempo de serviço diferente:
Professor de Educação Básica – 27 anos de efetivo exercício
Remuneração em dezembro de 2010 = R$ 1.486,91
Remuneração prevista em janeiro de 2012 = R$ 1.673,14
Remuneração prevista em abril de 2012 = R$ 1.756,59
Remuneração prevista bem janeiro de 2015 = 2.101,68 (41,34% de aumento em relação a dezembro de 2010)
Professor de Educação Básica – 14 anos de efetivo exercício
Remuneração em dezembro de 2010 –  R$ 1.295,93
Remuneração prevista em janeiro de 2012 – R$ 1.516,24
Remuneração prevista em abril de 2012 - R$ 1.592,05
Remuneração prevista bem janeiro de 2015 = R$ 1999,69 (54,31% de aumento em relação a dezembro de 2010)
Professor de Educação Básica – 6 anos de efetivo exercício
Remuneração em dezembro de 2010 – R$ 1.016,37
Remuneração prevista em janeiro de 2012 – R$ 1.336,71
Remuneração prevista em abril de 2012 - R$ 1.403,54
Remuneração prevista em janeiro de 2015- R$ 1.456,17 (43,27% de aumento em relação a dezembro de 2010)
 “A nova proposta do Governo de Minas demonstra, mais uma vez, a disposição para encontrar formas de valorizar e melhorar a remuneração e a carreira dos profissionais da educação e reafirma o compromisso com a qualidade da Educação em Minas e o respeito aos alunos, pais, professores e toda a comunidade escolar”, afirma o Governador Antonio Anastasia.

16 comentários:

  1. Carlos José - Nova Lima21 de novembro de 2011 19:34

    Olha o golpe novamente...
    O piso nacional tem um aumento anual entre 16% e 22%, vejam o que nos espera em três anos nesta proposta indecente do governo mineiro:
    Remuneração prevista em abril de 2012 - R$ 1.403,54
    Remuneração prevista em janeiro de 2015- R$ 1.456,17. ou seja, nosso salário ficará praticamente congelado, enquanto o piso terá aumento anual.

    ResponderExcluir
  2. A proposta indecente desse governador quase infartou-me!Que tristeza ser professor sob o jugo de Anastasia.Oh sina!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu não acredito mais na justiça terrena mas acredito na justiça de Deus e tenho certeza absoluta que Renata Vilhena, Ana Gazzola e Anastasia vão sofrer demais na outra vida, acho que deveriam repensar muito o que estão fazendo aqui, por que vão sofrer pena que não estarei lá para ver o inferno desta pestes....

    ResponderExcluir
  4. Não,obrigado!
    Prefiro receber o piso.

    ResponderExcluir
  5. sacanagem, sabotagem, e piada de mal gosto!

    ResponderExcluir
  6. Mas que ditadura.Este novo modelo de renumeração é o próprio subsidio.Que enganação para não aplicar o piso salarial.Que melhor que o piso? Será que o governo pensa que na~sabemos fazer conta

    ResponderExcluir
  7. Indecente e Caloteiro este desgoverno!!
    Mais uma vez demonstra que não se preocupa com a educação.Que é um governo fora da lei e traiçoeiro!!
    Fizemos greve pela implantação do piso na carreira e não para subsídio.
    Não quero ganhar mais do que o piso, quero única e exclusivamente o Piso!!

    ResponderExcluir
  8. Significa que o professor em inicio de carreira não receberá nem 2 salarios minimos, vergonha!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Eta governo!Mudou só o nome. A enganação continua.
    Sei fazer calculos!Quando isso vai parar?

    ResponderExcluir
  10. Estou indignado com a ação deste governo que quer a todo custo acabar com nossa carreira que conquistamos com muita luta.
    Este governo é o ..........!!

    ResponderExcluir
  11. Este Anastasia está igual alguns alunos do 1ºQ, sem responsabilidade nenhuma com quem tem direitos adquiridos como quinquênios, biênios etc.

    ResponderExcluir
  12. Se o governo está tão empenhado em valorizar a educação e seus profissionais, por que ele não paga o piso que tanto queremos? Afinal, já estamos cansados de sermos lesados em nossos direitos. E, por que será que faz tanta questão de acabar com os benefícios que adquirimos ao longo de tão sofridos e oprimidos anos de trabalho dedicados à edecação? De boa intenção o inferno está lotado, não é verdade Dona Renata? Se a intenção do governo fosse realmente boa por que não negociou com a categoria?

    ResponderExcluir
  13. Gente poste noticias do que aconteceu na Assembléia de hoje, estou muito ansiosa, estou aguardando. abraço

    ResponderExcluir
  14. O governo e os deputadosa da base acabaram com nossa carreira.O governo nos deu o direito para escolher a forma de renumeração ,mas logo se impôs e nos jogou a sua criação o subsídio.

    ResponderExcluir
  15. MEU DEUS!E muito bom ser professor, adoro! Mas não quero isso para minhas filhas,salário sofrido e chorado é sem valor, principalmente quando depende do governo para ser valorizado,não dá mais... chega de tanta humilhação.
    Trabalho em sala de aula, em casa, no final não sobra 2 salário,governador, a única profissão que não tem nehuma ajuda ex: vale transporte, alimentação,que horror!

    Sempre foi assim, governo não dá valor nos profissionais da educação.
    Só já ouvi falar em um governo que foi bom, sabe qual foi? Magalhães Pinto. Anos...anos...

    ResponderExcluir